Leanked . Consultoria em Operações

Entrevista a Lúcio Trigo, CEO da Leanked

Lúcio Trigo, Co-founder e CEO da Leanked, respondeu a questões como: a origem, trajeto e ambição da Leanked, assim como quais os desafios da consultoria em operações.


Porquê a Leanked?

A Leanked existe com o propósito claro de apoiar as organizações a melhorar a sua competitividade através das operações. Num mercado cada vez mais global e concorrencial é fundamental o constante “ataque” à eliminação de desperdício na cadeia de valor e nos processos. A eficiência e produtividade são cada vez fatores dinâmicos críticos ao desenvolvimento competitivo das organizações, em particular se considerarmos a redução da margem bruta e o aumento sistemático do custo dos fatores de produção. Maior focalização no valor, flexibilidade e fluxo são vetores de ação que devem fazer parte das decisões táticas e operacionais dos gestores. Quisemos marcar a diferença ao levar serviço de consultoria operacional para trabalhar a eficiência e produtividade operacional nas PME Nacionais. Sentíamos que existia um vazio no mercado e portanto uma oportunidade que fazia sentido aproveitar. O nosso modelo de negócio, alinhado com as competências e experiência, permite desenhar e gerar valor competitivo nos nossos clientes e, mais importante, aumentar a riqueza multidimensional gerada – económica, operacional, cultural (melhoria contínua) e motivacional.

A Leanked tem grandes desafios pela frente. Existe ainda um longo trabalho a fazer no mercado em termos de inovação organizacional através da aplicação de novos métodos e organização do trabalho. Os nossos principais drivers de ação têm sido através da aplicação e uso das filosofias, práticas e ferramentas de lean management e kaizen, que permitem obter resultados de forte impacto na produtividade e eficiência. Mas existe também uma margem de progressão interessante em termos de entrega de serviços numa abordagem de engenharia e gestão industrial. O mercado puxou para lançarmos novos serviços e foi com satisfação que o fizemos, designadamente o serviço de desenho e redesenho de layouts. Se focalizarmos efetivamente nas necessidades das empresas facilmente se percebe que existe um boom de possibilidades que extravasam a mera abordagem de transformação operacional. Os problemas são diversos e para além do serviço de layout, acabamos também por lançar serviços ao nível de sistemas de informação e manutenção.

Qual a sua missão à frente da Leanked?

Desenvolver a missão e visão e alinhar a organização em torno destas dimensões estratégias. Promover o crescimento será sempre o foco, não esquecendo o core da ação, uma consultoria de qualidade, eficaz e com resultados. Procuro também envolver-me nas operações de cariz comercial para sentir o mercado e retirar orientações de ação, tomar o pulso diretamente com quem gere e define o rumo das organizações é um fator crucial.

Como descreve a evolução da Leanked?

A Leanked teve um arranque difícil, foi criada talvez na pior altura para se lançar uma empresa, isto é, em plena crise. Mas não foi só num ambiente de crise que a Leanked nasceu, mas também num mar de desconhecimento. O nosso foco de mercado inicial eram as PME´s de cariz industrial e quando falávamos de Lean e Kaizen havia um desconhecimento generalizado desta matéria. Esse vazio levou algum tempo a preencher, tínhamos que, para além de ser consultores, ser também missionários. Mas esse período passou e nos últimos anos a Leanked assistiu a um forte crescimento. Hoje temos mais competências, recursos e experiência, conseguimos gerar ainda mais valor e riqueza para os nossos clientes. Temos demonstrado uma capacidade e flexibilidade extraordinárias de leitura das necessidades do mercado. Aliamos também uma dinâmica de grupo e inovação bastante interessantes, que nos permitem olhar com bastante confiança para o futuro. Atualmente a equipa conta já com mais de 9 colaboradores o que é um crescimento interessante, mas acima de tudo estamos perante um crescimento consolidado. O nosso adn está na consultoria operacional e são o resultado dos nossos serviços e o envolvimento da nossa equipa que marcam a diferença.

Quais os principais desafios de liderar a Leanked?

Temos uma equipa extraordinária, altamente qualificada e motivada, e tal tem sido crucial para um maior foco no mercado. Os principais desafios vêm do contexto. Queremos criar uma marca e um negócio de referência no mercado nacional da consultoria de operações. Temos conseguido superar com sucesso os vários projetos estruturantes de transformação operacional que temos levado a cabo com os nossos clientes. Queremos criar uma nova acessibilidade às empresas a este tipo de consultoria e a valorizar a atividade em torno do resultado.

Quais os planos da Leanked para 2018?

O próximo ano terá que ser marcado por mais um ano de crescimento. Temos crescido acima dois dígitos nos últimos três anos e queremos continuar a manter este ritmo de crescimento. A alavanca para o sucesso passa por continuar a crescer. O crescimento deverá acontecer pela via tradicional, projetos de transformação operacional, mas também pela diversificação, nomeadamente pelo serviço que lançamos este ano.

Iremos continuar a inovar, não só no modelo dos nossos serviços atuais, mas também através do lançamento de novos serviços. Queremos estar atentos à indústria 4.0 e brevemente criar serviço de apoio também à transição. Mas existe muito trabalho a fazer e perspetiva-se um ano muito interessante.