Leanked . Consultoria em Operações

Dicas importantes na Gestão de Equipas

A gestão de equipas está relacionada com a cultura das empresas, a liderança e a motivação e trabalho de equipa entre colaboradores.

Como tal, deixo 6 pontos críticos aos quais um gestor deve focar a sua atenção na gestão de equipas:

  • gestão de equipasObjetivo – Uma equipa é um conjunto de pessoas com um objetivo comum. Esse objetivo deve ser transparente e discutido. O conjunto de pessoas pode ter personalidades, motivações, capacidades e funções diferentes, mas o que existe em comum é o objetivo;
  • Tamanho e diversidade da equipa – Uma equipa demasiado grande não é funcional, isto porque não temos acesso ou disponibilidade para chegar a todas as pessoas. Nesses casos, é necessário criar uma estrutura de responsabilização ou, por outras palavras, criar sub-equipas e delegar a gestão das mesmas a chefias com as aptidões necessárias para o efeito. Por outro lado, a diversidade numa equipa traz mais-valias a nível de criatividade, perspectiva e conhecimento, mas também apresenta algumas adversidades;
  • Trabalho em Equipa – Além de serem um conjunto de pessoas com um objetivo, devem trabalhar com o intuito de otimizarem o caminho para a solução. Procurar sinergias, benchmarking interno e recursos partilhados permite criar atalhos estruturados e acrescentar valor à solução através do potencial humano. Resume-se à máxima de que 1+1=3, onde há diferença entre uma equipa e um grupo de pessoas;
  • Liderança – O líder de equipa pode não ser um especialista na área. O líder de equipa deve ter componentes técnicas, humanas e transversais, havendo maior enfoque para as duas últimas. Isto porque, mais do que um técnico, o líder organiza e orienta os seus recursos para que atinjam o objetivo. Por outro lado, a forma de liderar a equipa vai de acordo com a pessoa e a cultura da empresa;
  • Motivação e Envolvimento – A equipa deve estar motivada para atingir o seu objetivo e para o trabalho inerente. A equipa deve também sentir vontade de opinar, dar e ouvir tanto ideias como problemas. Só uma atmosfera de confiança irá possibilitar a participação da equipa e desenvolver soluções com maior valor acrescentado;
  • Reuniões otimizadas – Por forma a otimizar o tempo e esforço da equipa, as reuniões devem estar focadas numa ordem de trabalhos previamente definida e partilhada com a equipa. O moderador da reunião (que pode ser rotativo) deve:
    • moderar a reunião seguindo a sua programação;
    • discutir problemas e soluções;
    • responsabilizar colaboradores;
    • definir prazos;
    • evitar a existência de conversas paralelas;
    • fazer uma síntese no final da reunião;
    • confirmar o calendário da próxima reunião.

Por fim, a gestão de equipas deve ter atenção à cultura da empresa:

A cultura organizacional, isto é, a atmosfera que os colaboradores sentem na entidade laboral. A forma como as pessoas enfrentam as mudanças, a iniciativa e disciplina, ou falta delas, expõem a cultura da empresa. Dependendo da empresa e da sua cultura, a gestão de equipas deve ser adaptada. A título de exemplo e de forma generalizada:

  • Uma empresa familiar, de vários anos, atingiu uma determinada reputação. O seu foco está na excelência, estabilidade e disciplina;
  • Uma start-up que encara as adversidades e desafios do mercado como oportunidade de ser disruptivo com a sua concorrência. Neste caso, destaca-se pela sua velocidade para criar resposta e criar soluções inovadoras.

Nestes dois cenários, podemos distinguir diferenças a nível de vestuário, linguagem, iniciativa, responsabilização e atitude. Estas diferenças devem ser consideradas durante a gestão de equipas e todos os factores anteriormente abordados devem rodar em torno da cultura organizacional.

Nils Alves
Consultor Leanked